quinta-feira, 11 de junho de 2009

Interview avec le professeur Marcos

Na abordagem sistemática sobre o Ano da França no Brasil, tema central deste blog, fui ouvir desta vez a percepção e os anseios de alguém que tem maior contato com esse universo e, portanto, mais propriedade para lhe opinar. O entrevistado nesta ocasião é o professor Marcos Roberto, que leciona francês no Centro de Línguas (Vitória ES, Ufes) . Gentilmente ele se dispôs a me responder algumas perguntas, conforme segue o ping-pong.

- Como você avalia a divulgação na mídia do Ano França.Br?
Como professor de língua francesa, estou sempre em contato com o que acontece no Brasil no que diz respeito ao francês e seu ensino. No entanto, percebo que, de forma geral, não há no Espírito Santo uma divulgação efetiva sobre o Ano França/Brasil. As pessoas que não frequentam ambientes como a Aliança Francesa ou o Centro de Línguas para a Comunidade, locais nos quais há uma presença forte deste evento, desconhecem-no totalmente ou apenas ouviram comentários a seu respeito.

- Você esteve na França ano passado. Pelo contato com o povo e a cultura de lá, acha que o modo como a França é mostrada através desse Ano França.Br corresponde ao que ela realmente é, ou há ainda muito estereótipo?
Estando na França, pude desfazer algumas idéias pré-concebidas que tinha a respeito do povo e da cultura francesa. Percebo que a França está sendo mostrada da forma como ela é, o que não significa que os estereótipos ligados a esse país e a sua cultura desaparecerão de imediato. São idéias já enraizadas no imaginário popular, portanto só o tempo poderá mudá-las.

- Como professor de francês, você acredita que depois desse Ano França.Br deve haver maior interesse dos brasileiros pela França, e mesmo maior procura pelos cursos de língua francesa? A francofonia tem a ganhar com essa divulgação da pátria de Molière no que depender do povo brasileiro?
O interesse pela língua francesa no Estado do Espírito Santo vem aumentando nos últimos anos, isso pode ser facilmente comprovado pelo número, sempre crescente, de alunos que se matriculam nos cursos de francês oferecidos no estado, e é claro que esse Ano Brasil/França pode render muitos benefícios para os dois países, já que se trata de um evento nacional envolvendo milhares de pessoas, não está apenas acontecendo, vai ficar na história, e os frutos serão colhidos ao longo do tempo.

- Os professores podem aproveitar as atividades culturais promovidas pelo Ano para aperfeiçoarem o ensino da língua, despertando maior interesse e potencializando a aprendizagem?
Acredito que o aperfeiçoamento se dá na prática cotidiana, no entanto um contato maior com a língua-alvo pode originar novos olhares e novas perspectivas de trabalho no tange ao processo de ensino/aprendizagem, e quanto maior esse contato, maiores serão as possiblidades de desenvolvimento de estratégias ligadas a esse processo, estratégias estas que vão contribuir com a dinâmica da sala de aula. Portanto, esse Ano tem muito a nos oferecer.

4 comentários:

  1. Gostei da entrevista. Por que não a fez em francês?

    ResponderExcluir
  2. Seu blog tá ótimoo!! Tah abordando assuntos de diversas áreas mas com o foco na França... Tá bem dinâmico e legal de acompanhar!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. porque se fosse em francês, eu não estaria lendo né pat!

    ResponderExcluir
  4. Professor Marcos, Le Roberto!! \o/

    ResponderExcluir